Controle de Processos

Aqui você poderá acompanhar o andamento atualizado de seu processo. Para saber mais, contate-nos.

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Newsletter

Inscreva-se. Nós do Furno Petraglia Advocacia teremos o prazer de mantê-lo informado acerca das novidades jurídicas que lhe interessem. Seu cadastro é muito importante para nós.

Endereço

Rua Bittencourt , 141 , Conj. 35
Centro
CEP: 11013-300
Santos / SP
+55 (13) 3219-1145+55 (13) 3223-3386

Copa América: Juizado do Torcedor atende casos de venda ilegal de ingressos na primeira partida em Porto Alegre

Copa América: Juizado do Torcedor atende casos de venda ilegalde ingressos na primeira partida em Porto AlegreO peruano da capital Lima aguardava à porta da sala de audiências do Juizado do Torcedor e Grandes Eventos na Arena do Grêmio quando, pouco além das 16h deste sábado , quando foi alertado pela vibração no estádio de que a seleção do seu país marcara no jogo contra a Venezuela.Acusado de vender ingressos por valor acima do estampado, comemorou o gol com um soco no ar. O torcedor, contudo, mal pôde reparar que o feito fora anulado enquanto explicava a origem dos nove ingressos encontrados com ele. Contou serem presentes de um amigo, jogador da seleção que está jogando a Copa América.Peruano tentava vender ingressos acima do valore foi conduzido para audiênciaO caso acabou arquivado. Segundo o Ministério Público, não foi comprovado o cometimento do crime, previsto no Estatuto do Torcedor. A solução foi homologada pelo Juiz-Titular do JTGE,  Marco Aurélio Martins Xavier.Outras três ocorrências foram originadas pelo mesmo fato, envolvendo dois brasileiros e seis peruanos. O trabalho no posto do Judiciário durante o confronto pelo torneio sul-americano contou com o auxílio da servidora Ísis Fialkowski, que atuou como intérprete.Juizado funcionará durante os jogos do campeonato na ArenaNo único registro de venda ilegal de entradas que resultou em sanção, um peruano e um brasileiro aceitaram transação penal que prevê pagamento de pena pecuniária no valor de R$ 250,00.O caso de um terceiro envolvido vai à vista do MP, representado pelo Promotor Márcio Bressani. Rosângela Goulart representou a Defensoria Pública.EXPEDIENTETexto e fotos: Márcio DaudtAssessora-Coordenadora de Imprensa: Adriana Arendimprensa@tjrs.jus.br Publicação em Sat Jun 15 21:44:00 BRT 2019 Esta notícia foi acessada: 2 vezes.
15/06/2019 (00:00)
Visitas no site:  1649653
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia