Controle de Processos

Aqui você poderá acompanhar o andamento atualizado de seu processo. Para saber mais, contate-nos.

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Newsletter

Inscreva-se. Nós do Furno Petraglia Advocacia teremos o prazer de mantê-lo informado acerca das novidades jurídicas que lhe interessem. Seu cadastro é muito importante para nós.

Endereço

Rua Bittencourt , 141 , Conj. 35
Centro
CEP: 11013-300
Santos / SP
+55 (13) 3219-1145+55 (13) 3223-3386

TJSP mantém júri que condenou homem por asfixiar companheira

Alegação de violenta emoção foi rechaçada. A 7ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve júri que condenou réu por homicídio qualificado contra sua companheira. A pena foi fixada em 16 anos e quatro meses de reclusão, no regime inicial fechado. Consta nos autos que o réu e a vítima moraram juntos por alguns anos e tinham dois filhos. No dia dos fatos, após uma discussão entre o casal, o acusado agrediu sua companheira com socos e chutes e logo em seguida matou-a por estrangulamento. O réu havia agredido a vítima em ocasiões anteriores e fora condenado por lesão corporal decorrente de violência doméstica. De acordo com o relator da apelação, desembargador Aguinaldo de Freitas Filho, “o fato do delito ter ocorrido em momento de raiva ou discussão entre as partes, não o descaracteriza, pois, conforme se sabe, parte significativa da espécie de tais delitos se dá em contexto de ira do agente”. “Aliás, é absurda a tese defensiva de que o acusado apenas investiu contra a vítima, com um golpe ‘mata leão’, pois a mesma avançou contra ele com as mãos para trás, sugerindo que pudesse estar portando uma arma. Ora, se assim fosse, logo que imobilizou a ofendida o réu já teria percebido que ela não carregava nada nas mãos, não sendo necessário que a ‘segurasse’ até ela não mais se mover”, destacou o magistrado. “O delito foi praticado pelo apelante por razões de condição de sexo feminino da vítima, o que foi devidamente reconhecido pelo Conselho de Sentença e não carece de qualquer comprovação complementar.” Também participaram do julgamento, de votação unânime, os desembargadores Otavio Rocha e Reinaldo Cintra. Apelação nº  1501941-85.2019.8.26.0537 imprensatj@tjsp.jus.br     Siga o TJSP nas redes sociais: www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial
08/04/2021 (00:00)
Visitas no site:  4901151
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia